30 de outubro de 2009

Notícias dos últimos dias II: Animal Collective, Mika Miko, Beach House, Taylor Mitchell e Los Campesinos!

*Quem me conhece bem sabe que eu nunca fui uma das maiores fãs do Animal Collective, mas ultimamente tenho que confessar que eles estão conseguindo me conquistar aos poucos. Comecei a gostar de uma musiquinha aqui, outra ali...

Agora gosto ainda mais deles. Os caras participaram de uma campanha do PETA, para combater a matança de focas no Canadá. Quem me conhece bem também sabe que eu AMO animais e o Canadá, mas essa matança que rola lá é realmente escrota.



* O Mika Miko decidiu encerrar as suas atividades. A guitarrista Michelle Suarez disse ao jornal Los Angeles Times que eles não brigaram nem nada, mas como a banda está junta desde o colegial, já estava na hora deles partirem para novas empreitadas. A banda ainda vai fazer alguns shows, inclusive um especial de despedida, e ainda vão lançar um 7" antes de dar bye bye.

* O Beach House divulgou os detalhes do seu próximo disco. Ele vai se chamar Teen Dream, e sai no dia 26 de janeiro, pela Sub Pop. A surpresa é que o álbum vem acompanhado de um DVD, com um vídeo para cada faixa dele, cada um dirigido por um diretor diferente.

A tracklist é a seguinte:
01 Zebra
02 Silver Soul
03 Norway
04 Walk in the Park
05 Used to Be
06 Lover of Mine
07 Better Times
08 10 Mile Stereo
09 Real Love
10 Take Care

* A cantora canadense Taylor Mitchell, de apenas 19 anos, foi atacada por coiotes no Cape Breton Highlands National Park, em Nova Scotia, e morreu. Que horror!!!

* Os Los campesinos!, uma das bandas mais felizes e ensolaradas do mundo, provaram que banda que fica doente unida, permanece unida. TODOS os integrantes estão com H1N1, em plena turnê. Apesar disso, eles disseram que não vão cancelar nenhum show por causa disso, então já sabem, né? Se alguém aí estiver no Reino Unido e for em algum show deles, não esqueça de levar uma máscara.

Além disso, eles também anunciaram que o disco novo deles, Romance Is Boring, sai no dia primeiro de fevereiro.

Saiu o trailer do DVD Nirvana: Live at Reading

Saiu o trailer de Nirvana: Live at Reading. O DVD, que chega às lojas no dia três de novembro, traz a apresentação que a banda fez no Reading Festival, em 1992, na íntegra, e mais um monte de extras.

O material vai estar disponível nos seguintes formatos: DVD + CD, só CD, só DVD, e ainda em vinil duplo, mas que só sai no dia 17 de novembro. Para mais informações sobre tudo isso, é só clicar aqui.

Clipe novo do High Places: I Was Born

28 de outubro de 2009

Brooklyn Bridge traz Chairlift, Telepathe e Bear Hands para São Paulo

É com muito orgulho que o Dominódromo anuncia oficialmente o festival Brooklyn Bridge. Nos dias 12, 13 e 14 de novembro, Chairlift, Telepathe e Bear Hands, respectivamente, tomarão o palco do SESC Pompéia e mostrarão um pedacinho da absurda cena do Brooklyn, onde novas bandas legais saem até dos bueiros e há trocentos shows incríveis por dia.

Aí embaixo tem o release oficial do evento e das bandas:

Brooklyn visita Pompeia
Chairlift, Telepathe
e Bear Hands apresentam-se no Sesc Pompeia, nos dias 12, 13 e 14 de novembro

Nova York respira música. A tradição dos velhos tempos e a ebulição de novas etnias, uma inspirando-se na outra, fizeram da Grande Maça a provável capital mundial da música. Assim foi de Gershwin à disco, do hip-hop ao punk; cada "borough", um mundo em si, com suas próprias cenas, linguagens, misturas e sonoridades.

Hoje, uma das mais empolgantes cenas musicais de NY está no Brooklyn. O alto custo de vida em Manhattan fez de lá uma alternativa viável para o sonho de viver da própria arte. Daí a ebulição local de bandas, artistas, escritores e gente sedenta por mostrar sua voz e não se encaixar nos valores da ilha mais rica e famosa da cidade.

O Brooklyn, hoje, é tomado por lojas de discos, brechós e lojas de estilistas, estúdios e casas de shows. Tudo feito de forma independente, do-it-yourself. Tudo feito entre amigos. Este é o espírito local: se ninguém oferecer o espaço para mostrar sua arte, arregace as mangas, arregimente o seu público e crie o seu palco.

O projeto Brooklyn Bridge trará ao SESC Pompeia uma pequena amostra do sem-número de bandas empolgantes que nasceram por lá. Nesta primeira edição, que acontecerá de 12 a 14 de novembro, as escolhidas são Chairlift, Telepathe e Bear Hands.

CHAIRLIFT,
12/11/09, às 21h
Não é qualquer banda que emplaca uma música em um comercial de iPod. Foi justamente isto que o Chairlift conseguiu com “Bruises”, faixa do seu disco de estreia, Does You Inspire You, de 2008. Em 2007, o trio de Boulder instalou-se no Brooklyn para colecionar participações nos principais festivais do mundo, diversas críticas positivas e mais de 6.000.000 de visualizações no YouTube. O som do Chairlift é pop, mas com certa excentricidade: experimentos na forma, sintetizadores inusitados, letras que margeiam a livre associação e sinuosos fraseados da voz única de Caroline Polachek.
myspace.com/chairlift

TELEPATHE,
13/11/09, às 21h
O Telepathe são duas garotas do Brooklyn que não se satisfazem com seus arredores: seus olhos e ouvidos absorvem o mundo. Elas representam um traço marcante da nova cena do “borough”: a antropofagia de fontes cada vez mais improváveis, como a Tropicália, a África e o Oriente. A curiosidade musical das moças é especialmente voltada à percussão. Dance Mother, disco de estreia produzido por Dave Sitek (TV On The Radio), é feito de inúmeras batidas – africanas, asiáticas, sintetizadas, orgânicas... - que se fundem em algo radicalmente novo.
myspace.com/telepathe

BEAR HANDS,
14/11/09, às 21h
Com mais de meio milhão de visitas no MySpace, um EP e o recente single What A Drag, o Bear Hands é uma das principais apostas entre as novas bandas do Brooklyn. Formado em 2006, o quarteto combina rock e percussão, em linhas de guitarra sempre bem desenhadas sobre ritmos empolgantes. O resultado é um indie rock cheio de groove e psicodelia, regado a excelentes melodias.
myspace.com/bearhandsband

Serviço:
Brooklyn Bridge – Ponte Brooklyn-Pompeia
Sesc Pompeia - Choperia

R$ 28,00[inteira]
R$ 14,00[usuário matriculado no SESC e dependentes, +60 anos, professores da rede pública de ensino e estudantes com comprovante]
R$ 7,00[trabalhador no comércio e serviços matriculado no SESC e dependentes

Os ingressos começam a ser vendidos no dia 1° de novembro, nas bilheterias da rede SESC.

Rua Clélia, 93
Pompeia
São Paulo - SP
cep 05042-000

Não é permitida a entrada de menores de 18 anos.

Coluna nova no Dominódromo: Vênus de Milo com dois braços # 1

Hoje estreia mais uma coluna aqui no Dominódromo, a Vênus de Milo com Dois Braços. Periodicamente, o nosso amigo Bruno Scartozzoni vai falar, basicamente, sobre a indústria musical em geral.

Aí está, Vênus de Milo com Dois Braços #1:

Já faz um bom tempo que estávamos eu, o Fernando e a Karen em um bar discutindo o que viria a ser o Dominódromo. Desde aquele dia gostei da idéia e até hoje vinha acompanhando com muito carinho o trabalho dos dois. Não posso negar, ser amigo de faculdade do Fernando, no mínimo, já me rendeu uma série de convites vips e outras regalias do tipo.


Também há algum tempo namoro a possibilidade de contribuir para o site de alguma forma, ao menos para compensar as regalias. Idéias não faltaram, mas a verdade é que não tenho duas coisas importantes: tempo e conhecimento sobre música. Não me entendam mal, adoro música, mas em termos de conhecimento estou longe, bem longe, do Fernando e da Karen, ou mesmo do Rodrigo e do Felipe. Não é raro estarmos em algum lugar e eu perguntar para um deles o que é isso que está tocando, e no dia seguinte vou procurar todo pimpão procurar na internet e colocar no iPod para ouvir.
Mas nem sempre foi assim. Até uns anos atrás eu baixava o mp3 na internet mas queimava em um CDR para poder ouvir em qualquer outro lugar que não houvesse um computador. Antes disso eu comprava o CD na loja mesmo. E bem antes, na infância, o negócio eram as fitas K7. O LP eu já peguei o finalzinho.

Não sou novo o suficiente para já ter sido alfabetizado nesse novo mundo, nem velho o suficiente para não ter me adapado à essa nova realidade. Viver esse período é um privilégio pois, como "testemunha auricular" da história posso olhar para trás e ver uma estrutura ruir do dia para a noite ao mesmo tempo que as coisas que vão surgindo para ocupar esse espaço são misteriosas e indefinidas. Em outras palavras, ninguém sabe o que vai acontecer!

Como publicitário (de profissão) e administrador (de formação) esse é um assunto que me fascina, e por isso perguntei para o Fernando, que tem a mesma trajetória profissional e acadêmica, porque o Dominódromo não abordava esse tipo de reflexão. Estava aí um assunto do qual eu me sentia mais a vontade para contribuir, e cá estou!

O primeiro post é sobe o Lobão. Antes que você torça o nariz, já digo que não sou exatamente um fã de sua música, mas sempre que tenho oportunidade faço questão de ouvir o que o cara tem para dizer. Se tem alguém que entende do futuro da indústria fonográfica no Brasil, esse cara é o Lobão. Na verdade ele é o tipo de cara que faz o futuro da indústria fonográfica.

Mais ou menos na época em que o mp3 ainda não era muito difundido, que o rádio ainda gozava de certo prestígio e que o CD ainda era a principal mídia, Lobão se rebelou contra o sistema e fez algo impensável. Mas antes vale um flashback. Caso você não saiba de quem estou falando, Lobão foi um dos principais ícones do rock brasileiro nos anos 80, tendo fundado a banda Blitz e depois emplacado vários sucessos em carreira solo.

Pois bem, lá por volta do ano 2000 ele estava bastante desaparecido da mídia e há tempos não fazia nada que empolgasse o público como no passado. Lobão explicava a situação pela recusa de entrar no esquema da indústria, ou seja, pagar jabá para as rádios para ficar conhecido, e a partir daí fazer a máquina girar.

Então, inconformado, resolveu virar o jogo com uma idéia simples. Lobão produziu seu disco de maneira indepentente e começou a vendê-lo em bancas de jornal, junto com uma revista. Além de ser um ponto de venda mais democrático e acessível para o brasileiro médio, a novidade chamava atenção por si só e o custo do CD, sem o jabá, era reduzido para menos da metade do que normalmente custaria em uma loja, no esquema tradicional.

Depois ele ainda viria a lançar outras bandas nesse esquema, montando sua própria gravadora/editora. Como banda larga e mp3 player ainda não eram conceitos muito difundidos nessa época, para mim o futuro da música no Brasil começou nas bancas de jornais.

Foi nessa época que Lobão começou a dar entrevistas em vários lugares para falar o que pensava sobre música, indústria fonográfica, jabá e coisas do tipo. Sempre falando o que pensa, sem filtros, suas entrevistas são muito divertidas. Ele é o cara que consegue misturar em uma frase só uma coisa totalmente cabeça com um causo envolvendo drogas e palavrões. Imperdível.

Na verdade falei de todas essas coisas só porque queria abrir minha coluna no Dominódromo com uma entrevista recente do Lobão que vi no Café Filosófico, aqui: http://www.cpflcultura.com.br/video/integra-volta-dos-deuses-embusteiros-lobao O tema dessa vez não é a distribuição de música, mas sim a "volta dos deuses embusteiros", ou seja, o momento cultural em que vivemos onde qualquer um, por qualquer motivo, pode se tornar celebridade, ainda que não tenha motivos artisticamente relevantes para isso.

É um tipo de efeito colateral da democratização da internet. Se antes você tinha que pagar para aparecer, agora os meios estão disponíveis para qualquer um. O ruim é que o espaço está igualmente aberto para todos, bons artistas, maus artistas e aqueles que nem artistas são, como participantes de reality show.

Sem papas na língua, Lobão solta uma pérola atrás da outra, como, por exemplo, quando diz que brega pra ele não é o gênero popular do nordeste, mas sim a MPB simulacro da intelectualidade, ou o universitário que toca chorinho de forma virtuosa, como se fosse algo sagrado onde nenhuma inovação é permitida. Para Lobão isso é o falso absoluto, a "Vênus de Milos com dois braços".
Para ele isso é personificado em gente como Caetano Veloso, que toca violão como quem está tomando cafézinho com nojo, ou Gilberto Gil, que explica seu programa de governo por meio de batuque no microfone (sim, ele fez isso em uma convenção do partido).

Mas para Lobão a culpa não é da mídia, nem do jabá, mas sim do público que consome isso. Do cara de 18 anos que é um bundão e toca chorinho, nas palavras dele. E eu concordo plenamente. Por isso o Dominódromo está aí, para apresentar uma alternativa musical à esse público. E eu me orgulho de fazer parte desse time.

Clipe novo do Land Of Talk: It's Okay

Música linda e clipe super bem feito!

27 de outubro de 2009

Notícias dos últimos dias: Fever Ray, Arcade Fire, Morrissey, Lily Allen, Courtney Love e Ladytronn

* A Karin Dreijer, integrante do The Knife e cabeça por trás do Fever Ray, tem o dom de fazer alguns dos clipes e maquiagens mais creepy do universo. Deve ser por isso que ela foi convidada pelo site Resident Advisor para fazer um podcast temático de Halloween. Além das músicas escolhidas a dedo pela moça, o site colocou no ar uma entrevistinha com ela. Vale a pena conferir. Aqui.

* Depois de deixar o twitter de lado e reclamar de MP3 e do jeito que a música é distribuída hoje em dia, a Lily Allen decidiu que vai abrir uma gravadora própria. Ela tinha assustado os seus fãs dizendo que não ia renovar o contrato com a sua antiga gravadora, mas agora está claro o motivo.

Vamos esperar e ver quais serão os métodos inovadores que a Lily vai mostrar para a indústria musical e para o mundo, né, gente?

* Ah! A Courtney Love e a Frances Bean Cobain também saíram do twitter.

* Os boatos de um novo disco do Arcade Fire para 2010 começaram. Um bando de gente está ligando fatos e declarações para tentar descobrir mais detalhes, mas, até agora, nada de concreto emergiu. Segundo o Stereogum, uma fonte disse que a banda está trancada no estúdio há três semanas trabalhando no sucessor do Neon Bible.

* O Morrissey teve um piripaque no palco, no último sábado, dia 24/10, em um show na Inglaterra. Agora já está tudo bem!

* Um monte de bandas legais anda participando do programa infantil Yo Gabba Gabba. Dessa vez, os convidados foram o Ladytron. Acho que depois da passagem deles pelo Brasil, onde o público o surpreendeu com seu calor tropical, o gelo nos seus corações derreteu um pouquinho. Mesmo assim, olha a força que a Helen Marnie está fazendo para dar uns sorrisinhos para a câmera.

Amanhã tem mais!

Goiânia Noise Festival divulga programação completa

Hoje, o Goiânia Noise Festival, um dos maiores festivais independentes do país, divulgou a sua programação completa oficial.

O lineup é o seguinte:

25/11

Teatro Madre Esperança Garrido
(Colégio Santo Agostinho)
22h00 - Hermeto Pascoal e Grupo (SP)
21h15 - Vida Seca (GO) – foyer do teatro
20h30 - Juraildez da Cruz (GO)

Fiction Club
01h00 - Vamoz (PE)
00h15 - The Soundscapes (SP/USA)
23h30 - Motherfish (GO)

Sets:
01h40 - MzK (SP)
00h20 - Paul Jones – Rough Trade (UK)
23h00 - Miranda (SP)

Capim Pub
00h00 - Os Cabeloduro (DF)
23h15 - Leptospirose (SP)
22h30 - Ressonância Mórfica (GO)
21h45 - HC 137 (GO)
21h00 - Señores (GO)

26/11

Teatro do Centro Cultural Goiânia Ouro
22h00 - Siba (PE) + Roberto Corrêa (DF)
21h00 - Cega Machado (GO)

Bolshoi Pub
01h00 - Ricardo Koctus (MG)
00h15 - Detetives (SP)
23h30 - Johnny Suxxx and Fucking Boys (GO)

Metrópolis
01h00 - The Name (SP)
00h15 - Sapatos Bicolores (DF)
23h00 - Bang Bang Babies (GO)

Dia 27/11

Centro Cultural Martim Cererê
Palco Pyguá
01h10 - Supersuckers (USA)
00h00 - MQN (GO) + Walverdes (RS)
23h00 - Guizo (Chile)
22h00 - Punch (GO)
21h00 - Volver (PE)
20h00 - Seletiva Petrobras nas Ondas do Rock
19h00 - Sattva (GO)

Palco Yguá
00h30 - Móveis Coloniais de Acaju (DF) + Bocato (SP)
23h30 - Think About Life (CAN)
22h30 - Devotos (PE)
21h30 - Vivendo do Ócio (BA)
20h30 - Rinoceronte (RS)
19h30 - O Melda (MG)
18h30 - Hellbenders (GO)

Dia 28/11

Centro Cultural Martim Cererê
Palco Pyguá
01h10 - Dirty Projectors (USA)
00h00 - Black Drawing Chalks (GO) + Chuck Hipholito (SP)
23h00 - Mama Rosin (Suíça)
22h00 - Porcas Borboletas (MG) + Paulo Patife (SP)
21h00 - Los Lótus (ARG)
20h00 - Mugo (GO)
19h00 - The Backbiters (GO)

Palco Yguá
00h30 - As Mercenárias (SP)
23h30 - Mechanics (GO)
22h30 - Confronto
21h30 - GrimSkunk (Canadá)
20h30 - Cassin & Barbaria (SC)
19h30 - Mini Box Lunar (AP)
18h30 - Evening (GO)

Dia 29/11

Centro Cultural Martim Cererê
Palco Pyguá
00h10 - Diego de Moraes e o Sindicato (GO) + Astronauta Pingüim (RS)
23h00 - Violins (GO)
22h00 - Domá da Conceição (GO)
21h00 - Barfly (GO)
20h00 - Naquele (GO)
19h00 - Torre de Jamel (GO)
18h00 - Seletiva Brasil Central Music

Palco Yguá
23h30 - Terrorista da Palavra (GO) + Jorge Mautner (SP)
22h30 - Umbando (GO)
21h30 - Grace Carvalho (GO)
20h30 - Gloom (GO)
19h30 - Cine Capri (GO)
18h30 - Hot and Hard Co. (GO)
17h30 - Seletiva Brasil Central Music

Centro Comunitário do Goiânia Viva

Palco
21h00 - Face a Face (GO)
20h30 - Ivo Mamona (GO)
20h00 - Soldados Urbanos (GO)
19h30 - Reverso da Moeda (GO)
19h00 - Linha Dura (MT)
18h30 - U Plano (GO)
18h00 - Eko (GO)

Vale lembrar que os incríveis Dirty Projectors tocam aqui em São Paulo também, no dia 02 de dezembro, na Clash. A abertura fica a cargo do Holger.

Clipe novo do Warpaint: Stars

26 de outubro de 2009

23 de outubro de 2009

Clipes novos: Grouper, JJ, Los Campesinos!, El Perro del Mar, Fever Ray, Weezer e Marina and The Diamonds

Nas últimas duas semanas eu e o Fernando estávamos de férias em Nova York. Para correr atrás do tempo perdido vou fazer um resumão do que rolou nos últimos dias.

Logo mais a gente também vai postar vídeos, fotos e textos mostrando tudo o que a gente viu por lá. Tem muita coisa legal!

Para começar aí vão alguns clipes que saíram recentemente:

Grouper: Hold the Way

JJ: Things Will Never Be the Same Again/Intermezzo/My Love

Los Campesinos!: There Are Listed Buildings

El Perro del Mar: Change of Heart

Fever Ray: Stranger Than Kindness

Weezer: (If You're Wondering If I Want You To) I Want You To

Marina and The Diamonds: Mowgli's Road (foto)

10 de outubro de 2009

MP3 do dia - Vivian Girls

Uma menção às Vivian Girls costuma despertar reações negativas. Não sabem tocar, imitam um sem-número de bandas do passado, todas as músicas são iguais, são famosas somente porque vieram, pra variar, do Brooklyn.

Ok, justo, vocês venceram. Nenhuma das afirmações acima é mentirosa. Mesmo assim, fica difícil de negar a qualidade de algumas de suas músicas. Há algo que simplesmente funciona na mistura de punk, jangle, shoegaze e harmonias vocais de uma faixa como Tell The World, do disco de estreia das meninas, Vivian Girls, lançado no ano passado.


Agora (na verdade, em fevereiro), saiu uma música para a oitava coletânea The World's Lousy With Ideas. Chama-se Lake House, que nem o drama do Keanu Reeves e a Sandra Bullock morando na mesma casa, em épocas diferentes, e se comunicando por uma caixa de correio mágica.

Sim, esse filme foi escrito, aprovado por um estúdio, produzido e lançado. E olha que nem cheguei a vê-lo; apenas me senti obrigado a ler mais sobre tal conceito maluco. Aposto que é uma bomba.

Lake House, a música, não é uma bomba. As harmonias vocais continuam bonitas e o tempo, acelerado, mas há uma nova preocupação com a atmosfera da faixa. Ela tem clima, sentimento, uma razão de ser, sabe? Soa pouco convencional para elas - apenas quatro versos, longos trechos instrumentais - e mostra uma evolução sobre o material passado.

Trata-se de um risco calculado para as garotas e seus vinte e poucos anos, uma mudança natural e bem-vinda. E faz muito mais sentido do que uma caixa de correio capaz de romper o continuum espaço-tempo.


[MP3: vivian girls - lake house]
da coletânea the world's lousy with ideas vol. 8 (2009)

FICHA
NOME: Vivian Girls
LOCAL: Nova York, EUA
MYSPACE: myspace.com/viviangirlsnyc

1 de outubro de 2009

Clipe novo do Asobi Seksu: Transparence

Clipe novo do Volcano Choir: Island, IS

Na semana passada o Justin Vernon anunciou um hiato do Bon Iver, mas hoje já apareceu na internet um clipe novo da sua outra banda, Volcano Choir.

Ainda bem que não ficamos muito tempo sem ouvir falar nele.

Clipe novo do Black Lips: Let It Grow

Coldplay e Bat For Lashes no Brasil em 2010

Pois é, Coldplay e Bat For Lashes vão tocar por aqui nos dias 28/02, na Praça da Apoteose, no Rio de Janeiro, e 02/03 no Estádio do Morumbi, em São Paulo.

YAY! BFL é um dos shows que eu mais quero ver hoje em dia, mas as circunstâncias dele me preocupam.

Espero que o show não dure apenas 30 minutos, ou que eu não tenha que vê-los dos quintos dos infernos, com um som baixíssimo, ou que os ingressos não custem os olhos da cara.

Acho que estou pedindo demais, né?

Para quem for encarar a maratona, os ingressos começam a ser vendidos no dia 07/11, pela Ticketmaster.

Como foi a festa Boombox, com Ely Kim e Killer On The Dancefloor em um vídeo

A animação foi tanta que o cansaço ainda bate e o pé ainda dói. Agora, já de volta à rotina, colocamos aqui uma amostra do que foi a festa de 2 anos do Dominódomo, com presença do glorioso Ely Kim e discotecagem do Killer On The Dancefloor.

Queria aproveitar a oportunidade para agradecer a todos que compareceram e aos parceiros que ajudaram a festa a ser o que foi: Ely Kim, Killer On The Dancefloor, EMME, o pessoal do Sonique, Marcelo Perdido, que fez o vídeo acima, e Paula Rúpolo, que fez todas as fotos da festa.

De antemão, já peço desculpas a todos que assistirem o vídeo, pelo número de vezes que eu e o Fernando usamos a palavra “incrível” e outros adjetivos similares... Estávamos empolgados, hahahahaha.