6 de setembro de 2007

luciano pavarotti era hipster

Ele trabalhou com o Brian Eno! Foi no projeto Passengers, do qual também faziam parte os integrantes do U2 e um elenco de artistas convidados. A superbanda lançou um disco, Original Soundtracks 1 (1995), com 14 faixas, cada uma composta como trilha sonora de um filme. O detalhe curioso: 10 desses filmes eram imaginários.

Como pequena homenagem do Dominódromo ao Pavarotti, fica aqui o vídeo para Miss Sarajevo.



Como era improvável a figura dele... Um tenor pop! Será que ainda surgirão outros?

Um comentário:

Daniel disse...

Fabio Zanon escreveu:

"Pavarotti foi um caso muito interessante de um talento absurdo, do mesmo nível de um Caruso, que conseguiu imenso êxito de público à custa de sua reputação póstuma. Ele fica por seu trabalho pré-3 Tenores. Seu Elisir d'Amore, sua Aida com Karajan, La Boheme com Solti etc., e até alguns discos de músicas populares que ele cantava sublimemente, como a Ave Maria de Schubert que é de chorar. Depois dos 3 Tenores, acabou-se completamente a noção de narrativa, de linha, de dinâmica, ele simplesmente virou uma grande voz que cantava tudo a plenos pulmões o tempo todo, não se dava ao trabalho de decorar direito as músicas e explorava seu tamanhão meio bizarro para criar um personagem midiático. Não sei se foi consciente, se foi desleixo ou se foi pela idade, mesmo. Claro que teve um componente de desleixo, porque ele não sabia ler música."

O que ele fez no pop é muito ruim. Mas a voz dele impressionava até no meio da porcariada...

Aliás, vocês viram como o mundo cultural e até político parou por causa dele? Dúvido que exista qualquer outro artista vivo com tamanha reputação.