30 de outubro de 2007

o desastre do tim festival 2007

Parece perseguição, mas é decepção. Este foi o pior Tim Festival da história. Nunca foi tão caro, nunca foi tão desorganizado, nunca fomos tão desrespeitados. Do início ao fim! Um festival tão considerado e prestigiado não pode cometer tantas gafes absurdas.

Domingo, no Anhembi, teve de tudo: vi briga, de socos mesmo, e ninguém veio separar - só parou quando um dos caras resolveu ir embora; ouvi relatos de assalto; já não tinha papel higiênico no banheiro, logo no começo (é o mínimo que deveria ter com o ingresso a R$ 200,00); acabaram a cerveja - que depois foi reposta - e, mais para frente, TODAS as bebidas (refrigerante, cerveja, água). Mas isso não era um problema, né? O atendente, que tinha culpa de nada, disse que poderia me dar um copo de água da torneira, se eu quisesse. O problema foi resolvido, de novo, depois de um tempo.

O som do Anhembi, como sempre, estava um lixo. No começo estava baixo, depois aumentaram, mas ficou tudo embolado.

Nós perdemos o show do Spank Rock graças à fila na entrada. Entramos no exato momento em que o Hot Chip subiu ao palco. O começo da apresentação foi bem enérgico. Em menos de meia hora de música, os caras deixaram o palco e demoraram 20 minutos para voltar. Li em alguns lugares que houve uma pane no sistema de distribuição do som. A organização desmentiu e disse que era uma pausa programada pela banda, o que eu, particularmente, duvido. A volta não foi tão empolgante, o público parecia nem saber quem estava no palco, até eles tocarem Over and Over.

Depois de uma hora de intervalo, a Bjork entrou no palco. O show foi um prato cheio para quem gosta. A islandesa não ficou só nas faixas do seu último disco Volta, e tocou sons aclamados como Hunter, Pagan Poetry, Army of Me e Hunter. Eu estaria muito mais feliz se estivesse vendo o show sentada.

Mais um tempão para desmontar todo o aparato da Bjork, e foi a vez da Juliette and The Licks se apresentar. O show é bem fraquinho. Mas ela tem carisma.

Quando o Arctic Monkeys entrou, o público se animou, mesmo com todo o atraso. Foi um show bem básico, sem muita conversa. Tocaram todos as músicas importantes e saíram do palco depois de, mais ou menos, uma hora.

Mais um intervalo de uma hora. Lá pelas 4h, depois de vaias do público devido à demora para começar o show, o Killers apareceu em meio a luzes de natal e árvores. Os caras não perderam tempo. Sabiam que se ficassem enrolando perderiam o público. Não deu outra. Mandaram uma sequência de hits que eu nunca vi igual. Sem enrolação! Nem fizeram o bis programado. Tocaram todas as faixas sem parar.

Apesar de tudo, acho que os verdadeiros fãs das bandas terminaram satisfeitos, mesmo saindo de lá depois das 5h da manhã e tendo que levantar cedo (ou nem dormir) para trabalhar no dia seguinte. Fico imaginando quem veio de outra cidade e tinha um vôo ou ônibus para pegar.

Espero que no ano que vem a organização pense em tudo isso que foi o Tim Festival 2007 e mostre um pouco mais de respeito a quem mais participa do festival: o público.

3 comentários:

Didi disse...

Desastre total!
Sério, sou macaca velha, já fui a vários festivais, e nunca em toda minha vida, fui num desastre tão grande qto a esse Tim Festival!
Até o 2001 festival q foi na praia, de graça, com chuva torrencial, debora blando (é isso?) no line-up junto com rollins band e mr big - nada a ver uma coisa com a outra, rs - foi tão desastroso como esse, e olha q um festival aberto ao publico na praia deveria ter assaltos, brigas e falta de estrutura, de bebida, e não teve! Ou seja, como pode uma produção errar tão feio como errou nesse festival!

Se no line-up estava previsto 15 minutos entre uma banda e outra, 1 hr de show para cada uma, como pode ter 1 hr e meia de show com 45 minutos de intervalo? será q não conseguiram prever a estrutura de cada palco? calcular uma estimativa alta de tempo entre uma montagem e outra, e entre a troca de instrumentos?
Se a Bjork e o The killers tinham palcos diferentes do resto das outras bandas, pq nao colocaram um palco extra para essas duas bandas? Ou pq nao fecharam um pacote onde essas bandas deveriam ficar por ultimo, ou q trouxessem um palco mais reduzido para essas duas bandas?
E as outras? tanto tempo para ter uma bandeirinha de fundo? se é q tinha?
Eu acho q eles pecaram em tudo!
É obvio q ia faltar agua, cerveja e refrigerante! Vc fica 45 minutos sentado esperando uma banda? Nao.. vc vai no banheiro, vc come, vc vai beber alguma coisa! Se o atraso era grande é obvio q vc vai beber mais, e comer mais, e lógico fazer mais xixi!

O Claro q é rock teve iggy pop , sonic youth, nine inch nails q devem ser bandas caras, e mesmo assim teve 2 palcos diferentes!
E nao foi tao caro como o tim, teve muiiiiiito mais bandas, e não lotou como esse festival, pq o espaco era menor q a arena skol.

Depois desse festival, sério, perdi o tesao de ir no planeta terra, e de ir a outros festivais.
Caralho, fazer uma sacanagem dessa em pleno domingo pra segunda?
tenho pena da agencia q fez esse festival, amadorismo total!

As vezes, vai saber tb do cliente. A tim pode ser tão chata com algumas coisas q só visa lucro e nao da margem a questoes essenciais para a producao! Resumindo, os dois tem culpa!

E quem paga, lógico, somos nós!
Q temos q enfrentar uma segunda feira, cansados, putos por ter pago 200 paus num evento onde o chao - se é que pode chamar aquilo de chao, pq era um mar de lixo - foi mais companheiro nas várias pausas do q a diversao.

Acho q o proximo tim festival deveria ter como lema:
"Se vc esperou tanto para ver Banda X, no tim festival vc espera mais ainda, de pé, e sem cerveja!"

E para finalizar a gde reclamação, da proxima vez façam um loungezinho pro povo descansar!
Olha.. são pedro gosta da Tim pq se tivesse chovendo aquele dia, serio, ia ser 200x mais desastroso!

Ou facam como no close-up festival, enquanto uma banda nao vem, vc tem uma arena para jogar videogame, acessar a internet, sei la, se divertir! Pelo menos qdo choveu nesse festival, todo mundo ficou feliz... e nem precisou esperar tanto!

Karen e Fê, parabens mais uma vez pelo blog!
Continuem empenhados q o dominodromo é foda! :)

Bjocas!

fernando araújo disse...

Não poderia ter dito de melhor forma.

O desprezo pelo bem-estar do público (e consumidor, pois pagou 200 reais) foi calamitoso. A TIM devia achar que estava fazendo um favor para nós, portanto não precisaria se atentar ao conforto, à alimentação, ao dia seguinte... O telão falhava, acabavam fichas e bebidas, faltava segurança, e, especialmente, SOBRAVA estresse na espera total de 5 horas entre os shows, sobre o concreto implacável do Anhembi, sem ter o que fazer, sem ter onde sentar, sem ter o que beber, sem ter até para onde olhar, pois nem cenografia puseram lá.

Isso aí, TIM: basta colocar umas bandas no palco e está tudo resolvido.

Bjo e obrigado, Didi!

Thiago disse...

São Paulo. A cidade mais desenvolvida do país, onde as coisas acontecem, onde tudo chega primeiro. Morar em Sp é um sonho realizado pra mim. Eu lutei muito pra conseguir morar aqui. O motivo? Cultura, estudo, diversão.

Poder ver shows ou eventos que não acontecem em Goiânia (cidade natal) por exemplo. E veio o TIM com BJORK e HOT CHIP!!! Que felicidade, que oportunidade! Paguei o preço alto estipulado. Esperava qualidade e conforto, encontrei desrespeito e total desprezo da produção. Por que? Talvez pq uma operadora de celular só faça festival visando publicidade. Que se danem os 20 mil pagantes, eles já pagaram! A ordem parece ser gastar apenas com as bandas e abandonar a infra-estrutura, afinal, o que importa é a música.

Gostei do line-up atualizado, o som não achei dos piores. Mas não pude me divertir porque o clima da festival foi quebrado pelo surpreendente atraso, pela incrível lotação na frente do palco, por falta de bebidas, até água! Parecia cenário de guerra ver pessoas correndo atrás das caixas de água que chegavam para repor estoques (?! Enfim vcs já falaram dos problemas.

Eu gostaria de parabenizar, no entanto, 2 partes do festival. O público por demonstrar muita civilidade por não quebrar simplesmente a já ausente estrutura do local. Por mostrar o interese na boa música e por perseverar na tentativa de ver o show dos ídolos. Parabenizo também os artistas que fizeram suas partes. Cada um no seu estilo. Foi uma atitude de respeito com o público fazer shows animados e de qualidade. No fim fica a percepção de que, no Brasil, o dinheiro é o grande HEADLINER dos festivais. Solução? Mude para a Europa!

O dominódromo se tornou um blog diário pra mim. O melhor é que são meus queridos amigos que o fazem. Parabéns Fernando e Karen. Essa iniciativa de vcs é fantástica! Abraços!